Concurso PMERJ
Seja bem vindo!

Concordancia Verbal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Concordancia Verbal

Mensagem por Aline Marques em Dom 18 Jul 2010 - 0:58

Concordância Verbal

Ocorre quando o verbo se flexiona para concordar com seu sujeito.

1) Sujeito Simples

Regra Geral

O sujeito sendo simples, com ele concordará o verbo em número e pessoa.

Veja os exemplos:

A orquestra tocou uma valsa longa.
3ª p. Singular 3ª p. Singular

Os pares que rodeavam a nós dançavam bem.
3ª p. Plural 3ª p. Plural

Casos Particulares

Há muitos casos em que o sujeito simples é constituído de formas que fazem o falante hesitar no momento de estabelecer a concordância com o verbo. Às vezes, a concordância puramente gramatical é contaminada pelo significado de expressões que nos transmitem noção de plural, apesar de terem forma de singular ou vice-versa. Por isso, convém analisar com cuidado os casos a seguir.

a) Quando o sujeito é formado por uma expressão partitiva (parte de, uma porção de, o grosso de, metade de, a maioria de, a maior parte de, grande parte de...) seguida de um substantivo ou pronome no plural, o verbo pode ficar no singular ou no plural.

Ex: A maioria dos jornalistas aprovou / aprovaram a ideia.
Metade dos candidatos não apresentou / apresentaram nenhuma proposta interessante.

Esse mesmo procedimento pode se aplicar aos casos dos coletivos, quando especificados:

Ex: Um bando de vândalos destruiu / destruíram o monumento.

Obs.: nesses casos, o uso do verbo no "singular" enfatiza a unidade do conjunto; já a forma "plural" confere destaque aos elementos que formam esse conjunto.

b) Quando o sujeito é formado por expressão que indica quantidade aproximada (cerca de, mais de, menos de, perto de...) seguida de numeral e substantivo, o verbo concorda com o substantivo. Observe:

Cerca de mil pessoas participaram da manifestação.
Perto de quinhentos alunos compareceram à solenidade.
Mais de um atleta estabeleceu novo recorde nas últimas Olimpíadas.

Obs.: quando a expressão "mais de um" se associar a verbos que exprimem reciprocidade, o plural é obrigatório:

Por Exemplo: Mais de um colega se ofenderam na tumultuada discussão de ontem. (ofenderam um ao outro)

c) Quando se trata de nomes que só existem no plural, a concordância deve ser feita levando-se em conta a ausência ou presença de artigo. Sem artigo, o verbo deve ficar no singular. Quando há artigo no plural, o verbo deve ficar o plural.

Ex: Os Estados Unidos determinam o fluxo da atividade econômica do mundo.
Alagoas impressiona pela beleza das praias e pela pobreza da população.
As Minas Gerais são inesquecíveis.
Minas Gerais produz queijo e poesia de primeira.
Os Sertões imortalizaram Euclides da Cunha.

d) Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais, quantos, alguns, poucos, muitos, quaisquer, vários) seguido por de nós ou de vós, o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal.

Ex: Quais de nós são / somos capazes?
Alguns de vós sabiam / sabíeis do caso?
Vários de nós propuseram / propusemos sugestões inovadoras.

Obs.: veja que a opção por uma ou outra forma indica a inclusão ou a exclusão do emissor.
Quando alguém diz ou escreve Alguns de nós sabíamos de tudo e nada fizemos, esta pessoa está se incluindo no grupo dos omissos. Isso não ocorre quando alguém diz ou escreve Alguns de nós sabiam de tudo e nada fizeram, frase que soa como uma denúncia.

Nos casos em que o interrogativo ou indefinido estiver no singular, o verbo ficará no singular.

Ex: Qual de nós é capaz?
Algum de vós fez isso.

e) Quando o sujeito for um pronome de tratamento, o verbo fica sempre na 3ª pessoa (do singular ou do plural).

Ex.: Vossa Alteza pediu silêncio./ Vossas Altezas pediram silêncio.

f) Quando o sujeito for um pronome relativo que, o verbo concorda com o antecedente do pronome.

Ex.: Fui eu que derramei o café./ Fomos nós que derramamos o café.

g) Quando o sujeito for um pronome relativo quem, o verbo pode ficar na 3ª pessoa do singular ou concordar com o antecedente do pronome.

Ex.: Fui eu quem derramou o café./ Fui eu quem derramei o café.

h) Quando o sujeito for formado pelas expressões: alguns de nós, poucos de vós, quais de ..., quantos de ..., etc. O verbo poderá concordar com o pronome interrogativo ou indefinido ou com o pronome pessoal (nós ou vós).

Ex.: Quais de vós me punirão?/ Quais de vós me punireis?


2) Sujeito composto

Regra geral: o verbo vai para o plural.

Ex.: João e Maria foram passear no bosque.

Casos especiais:

a) Os núcleos do sujeito são constituídos de pessoas gramaticais diferentes, o verbo ficará no plural seguindo-se a ordem de prioridade: 1ª, 2ª e 3ª pessoa.

Ex.: Eu (1ª pessoa) e ele (3ª pessoa) nos tornaremos (1ª pessoa plural) amigos.
O verbo ficou na 1ª pessoa porque esta tem prioridade sob a 3ª.

Ex: Tu (2ª pessoa) e ele (3ª pessoa) vos tornareis (2ª pessoa do plural) amigos.
O verbo ficou na 2ª pessoa porque esta tem prioridade sob a 3ª.

b) Os núcleos do sujeito estão coordenados assindeticamente ou ligados por e, o verbo concordará com os dois núcleos.

Ex.: A jovem e a sua amiga seguiram a pé.

Obs: Se o sujeito estiver posposto, permite-se a concordância por atração com o núcleo mais próximo do verbo.

Ex.: Seguiria a pé a jovem e a sua amiga.

c) Quando os sujeitos forem resumidos por nada, tudo, ninguém... - o verbo concorda com o aposto resumidor.

Ex.: Os pedidos, as súplicas, o desespero, nada o comoveu.

d) Quando o sujeito for constituído pelas expressões um e outro, nem um nem outro...- o verbo poderá ficar no singular ou no plural.

Ex.: Um e outro já veio./ Um e outro já vieram.

e) Quando os núcleos do sujeito estiverem ligados por ou- o verbo irá para o singular quando a idéia for de exclusão e plural quando for de inclusão.

Ex.: Pedro ou Antônio ganhará o prêmio. (exclusão)
A poluição sonora ou a poluição do ar são nocivas ao homem. (adição, inclusão)

f) Quando os sujeitos estiverem ligados pelas séries correlativas (não só...mas ainda, não somente, tanto...como/ assim...como/ não só...mas também) - o mais comum é o verbo ir para o plural, embora o singular seja aceitável se os núcleos estiverem no singular.

Ex.: Tanto "Erundina" quanto "Collor" "perderam" as eleições municipais em São Paulo.
Tanto Erundina quanto Collor perdeu as eleições municipais em São Paulo.

g) Quando os núcleos do sujeito são unidos por com, o verbo pode ficar no plural. Nesse caso, os núcleos recebem um mesmo grau de importância e a palavra com tem sentido muito próximo ao de e.

Ex: O pai com o filho montaram o brinquedo.

Nesse mesmo caso, o verbo pode ficar no "singular", se a ideia é enfatizar o primeiro elemento.

Ex: O pai com o filho montou o brinquedo.
O governador com o secretariado traçou os planos para o próximo semestre.


Aline Marques
Cabo

Mensagens: 269
Pontos: 1926
Data de inscrição: 15/07/2010
Idade: 27

Minhas Notas
Português: 0
História: 0
Geografia: 0

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Concordancia Verbal

Mensagem por Aline Marques em Dom 18 Jul 2010 - 1:00

Outros casos de Concordancia Verbal

Outros Casos

1) O Verbo e a Palavra “SE”

Dentre as diversas funções exercidas pelo se, há duas de particular interesse para a concordância verbal:

a) quando é índice de indeterminação do sujeito;
b) quando é partícula apassivadora.

Quando índice de indeterminação do sujeito, o se acompanha os verbos intransitivos, transitivos indiretos e de ligação, que obrigatoriamente são conjugados na terceira pessoa do singular.

Ex: Precisa-se de governantes interessados em civilizar o país.
Confia-se em teses absurdas.
Era-se mais feliz no passado.

Quando pronome apassivador, o se acompanha verbos transitivos diretos e indiretos na formação da voz passiva sintética. Nesse caso, o verbo deve concordar com o sujeito da oração.

Ex: Construiu-se um posto de saúde.
Construíram-se novos postos de saúde.
Não se pouparam esforços para despoluir o rio.
Não se devem poupar esforços para despoluir o rio.

2) O Verbo “Ser”

A concordância verbal se dá sempre entre o verbo e o sujeito da oração. No caso do verbo ser, essa concordância pode ocorrer também entre o verbo e o predicativo do sujeito.

O verbo ser concordará com o predicativo do sujeito:

a) Quando o sujeito for representado pelos pronomes - isto, isso, aquilo, tudo, o - e o predicativo estiver no plural.

Ex: Isso são lembranças inesquecíveis.
Aquilo eram problemas gravíssimos.
O que eu admiro em você são os seus cabelos compridos.

b) Em indicações de horas, datas, tempo, distância: a concordância será com a expressão numérica
Ex.: São nove horas./ É uma hora.

c) Quando o sujeito estiver no singular e se referir a coisas, e o predicativo for um substantivo no plural.

Ex: Nosso piquenique foram só guloseimas.
Sujeito Predicativo do Sujeito

Sua rotina eram só alegrias.
Sujeito Predicativo do Sujeito

Se o sujeito indicar pessoa, o verbo concorda com esse sujeito.

Ex: Gustavo era só decepções.
Minhas alegrias é esta criança.

Obs.: admite-se a concordância no "singular" quando se deseja fazer prevalecer um elemento sobre o outro.

Ex: A vida é ilusões.

d) Quando o sujeito for pronome interrogativo que ou quem.

Ex: Que são esses papéis?
Quem são aquelas crianças?

e) Se o sujeito for pessoa, a concordância nunca se fará com o predicativo.
Ex.: O menino era as esperanças da família.

f) Quando o sujeito ou predicativo da oração for "pronome pessoal", a concordância se dará com o pronome.
Ex.: Aqui o presidente sou eu.

Obs: Se os dois termos (sujeito e predicativo) forem pronomes, a concordância será com o que aparece primeiro, considerando o sujeito da oração.

Ex.: Eu não sou tu.

g) Nas locuções é pouco, é muito, é mais de, é menos de junto a especificações de preço, peso, quantidade, distância e etc, o verbo fica sempre no singular.

Ex.: Cento e cinqüenta é pouco./ Cem metros é muito.

h) Nas expressões do tipo ser preciso, ser necessário, ser bom o verbo e o adjetivo podem ficar invariáveis, (verbo na 3ª pessoa do singular e adjetivo no masculino singular) ou concordar com o sujeito posposto.

Ex.: É necessário aqueles materiais./ São necessários aqueles materiais.

3) O Verbo “Parecer”

O verbo parecer, quando seguido de infinitivo, admite duas concordâncias:

a) Ocorre variação do verbo "parecer" e não se flexiona o infinitivo.
Ex: Alguns colegas pareciam chorar naquele momento.

b) A variação do verbo parecer não ocorre, o infinitivo sofre flexão.

Ex: Alguns colegas parecia chorarem naquele momento.

Obs.: a primeira construção é considerada "corrente", enquanto a segunda, "literária".

Atenção:

Com orações desenvolvidas, o verbo "parecer" fica no singular.

Ex: As paredes parece que têm ouvidos. (Parece que as paredes têm ouvidos.)


4) A Expressão "Haja Vista"

A expressão haja vista admite as seguintes construções:

a) A expressão fica invariável (seguida ou não de preposição).

Ex: Haja vista as lições dadas por ele. (= por exemplo)
Haja vista aos fatos explicados por esta teoria. (= atente-se)

b) O verbo haver pode variar (desde que não seguido de preposição), considerando-se o termo seguinte como sujeito.

Ex: Hajam vista os exemplos de sua dedicação. (= vejam-se)


By: Aline Smile

Aline Marques
Cabo

Mensagens: 269
Pontos: 1926
Data de inscrição: 15/07/2010
Idade: 27

Minhas Notas
Português: 0
História: 0
Geografia: 0

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum